Psicologia:

Para ser psicólogo é necessário fazer um curso a nível superior de cinco anos. A grade curricular contém matérias como anatomia, fisiologia, neuroanatomia, entre outras.
Apesar disso, a psicologia não é uma formação médica, ou seja, o psicólogo não pode prescrever nenhum tipo de medicação.
O psicólogo para exercer a profissão, está submetido a um Conselho Federal, e tem que ter o seu registro no CRP – Conselho Regional de Psicologia.

Psiquiatria:

O psiquiatra tem uma formação acadêmica em medicina de seis anos, além da residência médica de dois anos e depois uma especialização em Psiquiatria. É ele que está mais capacitado a prescrever medicações, como anti-depressivos, ansiolíticos, indutores de sono (hipnóticos) , anti-psicóticos, etc. Tem sua profissão regulamentada através do CRM – Conselho Regional de Medicina.

Psicanálise:

Diferentemente das outras formações, a psicanálise não tem um curso a nível superior. Antigamente, somente eram aceitas pessoas com formação em medicina e psicologia. Hoje, admite-se como candidatos à psicanalista, quem possua nível superior, nas diferentes áreas.

É requisito essencial, que o estudioso em psicanálise, além da formação teórica, submeta-se a análise pessoal.
As duas escolas mais importantes são: Sociedade Brasileira de Psicanálise e Instituto Sedes Sapientiae, que mantém o seu curso com duração de quatro anos.

De uma maneira bem resumida, podemos entender que o psiquiatra tem uma formação médica, que através das medicações, trata de disfunções bioquímicas que acometem pessoas com diferentes tipos de transtornos como depressões, síndrome do pânico, fobia social, psicoses entre outras. Já o psicólogo tem uma visão ampla em seu curso superior, tal como psicologia Social, Escolar, Organizacional, Hospitalar e Clinica, fazendo com que seja conveniente uma especialização pós-formado, na área de sua escolha profissional.

O psicanalista tem sua formação totalmente centrada, no entendimento do aparelho psíquico, segundo a teoria Freudiana -Sigmund Freud.

Está capacitado a lidar com a complexidade das emoções geradoras dos conflitos e das angústias.

É importante frisar, a importância da interação entre o psiquiatra e o psicólogo / psicanalista.

É aconselhável que, pessoas que usem alguma medicação psiquiátrica, também façam um acompanhamento psicológico, contudo, nem todas as pessoas que passam por um atendimento psicológico, precisam recorrer a medicações.

Sonia Negrão  –  [email protected]

Leave a Comment